Análise técnica do empréstimo do prefeito Toyota

Os moradores de Novo Horizonte foram surpreendidos quando o prefeito, Toshio Toyota, anunciou a intenção de fazer um empréstimo de 40 milhões às vésperas das eleições de 2020. Essa proposta foi reduzida para 18.9 milhões e ratificada em 22.4 milhões. A desconfiança do povo se deve ao fato de que o prefeito vem fazendo um péssimo mandato e essa, provavelmente, seria uma tática eleitoral para manter o seu grupo no governo após seu último mandato. Para conseguir o volumoso empréstimo o prefeito ainda precisa da aprovação dos vereadores, então, iniciou-se a saga…

live print

No dia 06 de novembro, o prefeito, convocou uma audiência pública, algo muito atípico para sua gestão, visto que a opinião do povo raramente é solicitada. O prefeito convidou seus aliados políticos e funcionários com cargos de confiança para que apoiassem os projetos que seriam apresentados na audiência e assim, ajudassem a convencer os vereadores para que aprovassem o seu pedido de empréstimo.

Talvez o prefeito não tenha calculado a sua rejeição, pois na audiência, a maioria dos presentes ficaram contra o empréstimo. Logo na chegada da audiência, foram entregues cédulas e canetas e muitos munícipes se indignaram, pois, quem quisesse perguntar algo na audiência pública, teria que escrever, ou seja, não seria permitido o debate. Claramente aquilo era uma tentativa de evitar que algumas pessoas, mais inteiradas no assunto falassem e pudessem convencer os vereadores ao contrário.

A tática do prefeito deu certo (até certo ponto), ele anunciou o valor do empréstimo 18.900.000,00 e algumas intensões, esboços, carências e forma de pagamento que segundo ele e sua equipe, justificavam o endividamento. Tais informações foram apresentadas rapidamente no telão do Centro Cultural.

ENDIVIDAMENTOA segunda etapa da audiência ficaria a cargo da equipe do prefeito que escolheria as perguntas que deveriam ser respondidas, para isso, avisaram que evitariam certas perguntas com cunho político. Ou seja, censura, principalmente tratando-se de um empréstimo às vésperas da campanha política. Mas uma dessas perguntas vazou, e era sobre o valor da divida que o prefeito nega. O clima esquentou quando a diretora de finanças omitiu a existência da divida que até agosto era de 16.9 milhões e quando questionada sobre falar a verdade, de forma arrogante, sugeriu aos interessados em saber o valor da divida do prefeito que acessassem o site do Tribunal de Contas e pesquisassem por conta própria.

Moral da história, mais de 100 pessoas foram para uma audiência pública, crentes que poderiam debater as propostas do empréstimo, mas de forma amarga, descobriram que apenas os aliados do prefeito podiam usar o microfone e falar exclusivamente a favor do empréstimo. Sem outra opção, muitos presentes protestaram, afinal, era a única expressão executável naquela falsa audiência pública.

O departamento de comunicação prometeu responder todas as perguntas posteriormente nas redes sociais, mas isso não aconteceu por motivos óbvios: quase todos os questionamentos eram contrários ao empréstimo. Nos dias que se seguiram, o prefeito, inciou uma insistente campanha pró empréstimo, gravando vídeos que foram publicados no Facebook da prefeitura e compartilhado por seus aliados políticos, além disso, participou de inúmeras lives onde respondia apenas as perguntas que o favorecia, mesmo assim, os internautas se manifestaram contra, expondo a desconfiança da população em relação ao prefeito Toyota que resolveu sair das redes sociais e passou a ir pessoalmente na rádio comunitária, algo que ele raramente faz. Lá, apenas seus aliados podiam fazer perguntas, o que mostrou um ambiente favorável pró empréstimo.

toyota e nelsinho

Estava muito claro que o prefeito queria muito aquele dinheiro do Finisa e para isso, usava de artimanhas muito bem ensaiadas para justificar suas intenções, apesar de não ter apresentado nenhum projeto, orçamento ou laudo técnico que o justificasse.

Essa superexposição do prefeito é totalmente atípica, visto que ele, se quer trabalha na prefeitura, então, claro que pegou muito mal com a população, pois Novo Horizonte, segundo o tribunal de contas tem mais de 7 milhões em obras paralisadas que foram inciadas pela atual administração e ainda não foram finalizadas. Com esse retrospecto de abandono, não só nas obras, mas principalmente no departamento de saúde, hoje, o setor mais critico dessa administração, como o prefeito justificaria um empréstimo de 18.9 milhões para fazer novas obras no seu último ano de mandato?

Essa proposta de empréstimo se mostrou claramente política e eleitoral, afinal, as inúmeras falhas e inconsistências no discurso do prefeito ficaram evidentes, apesar do mesmo jurar estar abandonando a política. Mesmo assim, contra a vontade da maioria da população, o prefeito insistiu e no dia 25 de novembro, enviou o pedido de empréstimo para câmara, detalhe, com uma intenção a mais que agora totaliza o valor de 22.4 milhões.

Sabendo que um projeto de valor integral poderia ser rejeitado pelos vereadores, o prefeito fracionou a proposta em 8 projetos de lei, assim, os vereadores podem rejeitar alguns, aprovar a maioria e chegar próximo ao valor total que ele (prefeito) precisa deixar em caixa para escapar do Tribunal de Contas, já que não existe tempo hábil para executar nenhuma das propostas e a maior parte do dinheiro ficará no caixa da prefeitura até o fim do mandato do prefeito Toyota. Algo que a maioria da população considera perigoso, principalmente se analisarmos o histórico judicial do prefeito que tem todos os seus bens bloqueados e responde dezenas de processos.
TABELA EMPRESTIMO VEREADORES 21-11

Os vereadores da oposição não são contra o empréstimo, mas insistem que ele deve ser feito pelo próximo prefeito, principalmente porque existe uma carência de dois anos e o empréstimo será pago pela próxima gestão, além disso, a responsabilidade de concluir as obras também serão do próximo prefeito. Mas o Toyota insiste e quer o dinheiro em caixa agora! Como tem maioria na câmara, ele sabe que as chances desses projetos de lei fracionados serem aprovados pela maioria dos vereadores são grandes. Além disso, quando questionado sobre interesses obscuros, o prefeito ousou desafiar que alguém o viesse questiona-lo tecnicamente, com argumentos que justificaria a não contratação do empréstimo milionário.

Pensando que o desafio do prefeito era justo e deveria ser confrontado, eu, Gilson de Lazari, convidei o Cientista Social e especialista em Gestão pública, Gustavo Dalla Déa para debater “tecnicamente” as propostas do prefeito a respeito do empréstimo e assim o fizemos. Falamos inicialmente sobre as motivações do prefeito, depois sobre cada projeto individualmente e finalizamos esclarecendo algumas mentiras que vinham sendo propagadas pelo prefeito e seus aliados.

A analise do Gustavo foi transmitida ao vivo pela página do Facebook do NH News e posteriormente dividida em temas e republicadas. Segue abaixo todos os vídeos na ordem:

Parte 1  – Analise técnica do empréstimo com Gustavo Dalla Déa

Parte 2 – População não confia na administração pública.

Parte 3 – Sobre 1 milhão para a reforma do CLT.

Parte 4 – Sobre os 2 milhões para o Distrito Industrial.

Parte 5 – Sobre os 2 milhões e meio para o turismo

Parte 6 – Sobre os 600 mil para câmeras de segurança.

Parte 7 – Sobre os 700 mil para o cemitério.

Parte 8 – Sobre os 10 milhões para a canalização.

Parte 9 – Sobre os 2 milhões para o aterro sanitário

Parte 10 – Se não emprestar agora, nós perdemos o crédito?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s